dez 10, 2018

Os ciclos e os recomeços

Opa, tudo bom?

Espero que sim! Hoje quero falar com você não só sobre a vida empreendedora, mas sobre a vida no geral.

E quero falar especificamente sobre os ciclos e os recomeços.

Recomeçar implica em deixar pra trás um fim e seguir através do começar mais uma vez.

Mas recomeços são muito mais ou menos do que isto. Vai depender da forma que você encara fins e começos.

Encarar estes momentos determinam fortemente como você é no momento e como sua vida seguirá caso não haja mudanças internas.

Tem gente que tem dificuldades em lidar com finais. Tem gente que tem dificuldades em lidar com inícios.

Acontece que é necessário para a nossa vida existir recomeços. Sem isso, não haveria como nos desenvolver, aprender, conhecer e aplicar na nossa vida. Sem os finais, como seriam os belos inícios que você teve na vida?

Nós entramos em conflito com os recomeços quando não reconhecemos que são momentos como este que nos renovam.

Sim, é cansativo recomeçar. Eu sei disto. Mas todos os dias vivemos o cansaço da noite para acordarmos pela manhã renovados. Recomeçar é tão trivial quanto respirar, que também tem seu fim e início.

Entre o fim e o início existem perdas e ganhos, dores e alegrias, o voltar-se para dentro e a manifestação de nós.

Para cada noite de dor, cansaço e perdas, haverá da manhã de alegrias, ganhos e revitalização.

Então, o que vim aqui dizer é: Não tenha medo de recomeçar. Todas nós estamos vivendo finais e inícios que nos farão ainda mais poderosas do que já somos.

É sua a escolha de encarar a vida como uma linha reta ou como um ciclo.

Espero que este papo tenha ajudado você a ter um pouco mais de força para seguir. Se você sabe de alguém que precisa ler este texto, compartilhe!

Um beijo, tchau!

dez 7, 2018

O Universo cria, ela sonha, ela faz – O Início

Opa, tudo bom?

A partir deste texto, vamos começar uma série de conteúdos que irão te ajudar a compreender a sua rotina de acordo com a astrologia.

A grande parceira dessa jornada será a professora e astróloga Sandra Perin, que estará no time ESEF para ajudar todas nós.

“O Universo cria, ela sonha, ela faz”. Este título mostra como há muita coisa que rege nossa energia e isto reflete na forma que agimos na nossa vida.

É entendendo isso que a gente vai buscar se aperfeiçoar, perceber a energia fluindo do universo até nossas ações e vice-versa, além de ter consciência deste fluxo.

Hoje, dia 07/12/2018, começaremos já com grandes acontecimentos no universo astrológico: O fim do Mercúrio Retrógrado. Com a palavra, Sandra Perin:

“Hoje, a Lua Nova em Sagitário traz o final do Mercúrio retrógrado e a comunicação volta a fluir com mais harmonia. Traz, também, a força dos Deuses para o mês de dezembro. Sagitário representa o homem – e o cavalo, aquele que sabe conduzir seus instintos primários para grandes vitórias. Dia de refletir sobre quem comanda sua jornada: o corpo ou a mente? ”

O questionamento sobre o comandante da sua jornada surge quando fases terminam e começam. Será que fui impulsiva? Será que perdi tempo pensando demais?

Este equilíbrio importante para a vida humana estará sempre conosco. O ponto que definirá o nosso equilíbrio é o autoconhecimento.

Só assim a gente tem capacidade de fazer melhores escolhas acerca da manifestação da nossa essência.

O que este dia e a fala da Sandra diz sobre sua essência? Conta para gente!

Espero que esta estreia tenha contribuído com a sua vida e que tenhamos muitos momentos juntos falando sobre o assunto.

Compartilhe este conteúdo.

Um beijo, tchau!

dez 3, 2018

Nós fazemos o empreendedorismo espelhado nas ideias feministas e isto está sendo revolucionário.

Opa, tudo bom?

Nestes longos anos de carreira empreendedora, pude trocar ideias com diversas mulheres que sonham e fazem acontecer. Elas colocam as suas vidas em prol de uma carreira que levante o mercado, sempre baseado nas suas visões de sociedade.

Isso diz muito respeito às nossas posições acerca dos problemas da sociedade. Nesse ambiente que estamos, vamos falar obviamente de empreendedorismo feminino.

Sim, isto é também uma questão social. Nós fazemos o empreendedorismo espelhado nas ideias feministas e isto está sendo revolucionário. Sabe o porquê? Vou te mostrar agora!

1) Nós estamos decidindo por nós mesmas

Hoje temos um leve gosto da obviedade desta frase, mas até pouco tempo isto era bem difícil de ver na sociedade. Mulheres que fazem um negócio começar do zero e se tornar grandes empreendimentos são tão revolucionárias que, dentro do mercado, homens ainda sabem muito pouco como lidar com tanto poder e presença vindo delas (e de você também). E onde o feminismo entra nisto? A sociedade patriarcal é estruturada no homem como figura central. Famílias, grupos e organizações eram comandadas por homens e as mulheres tinham pouquíssima ou nenhuma força de decisão nestas camadas. O movimento feminista quer quebrar com esta desigualdade para atender também interesses de todas as mulheres que desejam ocupar estes papéis na sociedade.

2) O dinheiro que temos é fruto do nosso trabalho

As possibilidades e oportunidades que o dinheiro fornece pra gente é essencial pra nossa vida. Tanto que, hoje temos um mercado muito mais voltado para os interesses e necessidades REAIS das mulheres, não só por ocuparmos espaços de poder, mas por temos poder de compra. O dinheiro que temos atualmente é fruto do nosso próprio esforço. Não dependemos de homem para termos o que queremos, e isto é libertador. Lembra que falei da estrutura patriarcal? Então, como os homens que eram os provedores da casa, as mulheres não tinham remuneração por não terem um trabalho que não seja o trabalho doméstico. O dinheiro era dividido para a mulher da casa de acordo com a visão do homem e isto restringia a liberdade da mulher.

Nós escrevemos a nossa própria história.

3) Temos a chance de sermos encaradas igualmente nos espaços de trabalho

Ainda temos muito para caminhar, eu sei. Mas demos alguns passos no que se refere à diferença de pagamento para homens e mulheres. No início, as empreendedoras e executivas recebiam muito menos do que os homens recebiam, comparando o mesmo posto de trabalho. Por tamanha visão pejorativa da mulher nos espaços de trabalho, a mulher não tinha reconhecimento de seu potencial e competência, mesmo sendo maiores do que dos homens. Hoje temos uma oportunidade um pouco maior de encontrar postos de trabalhos com pagamentos justos para as mulheres. Além da crescente conscientização da sociedade como todo, mulheres podem ocupar espaços de trabalho e fazer a diferença sendo boas no que fazem e sendo justas nas suas relações de trabalho.

4) A alta segmentação de mercado também é boa para todas nós

Só a gente sabe a complexidade que é colocarmos todas numa definição de mulher. Até hoje esta pergunta não tem uma resposta simples. Isto porque há diversas mulheres que possuem visões, interesses, necessidades, problemas, privilégios e opressões diferentes. Como o empreendedorismo visa também inovar no mercado solucionando problemas que as diversas camadas da sociedade possuem, o empreendedorismo feminino pode dar uma atenção muito maior às necessidades dos segmentos da camada feminina da sociedade. Por dois motivos simples: empatia e vivência. Nós podemos perceber melhor o que a outra sente, entender mais profundamente a necessidade da outra e oferecer soluções mais inovadoras. E a vivência por simplesmente sabermos através da experiência de vida o que as mulheres em geral vivem por aí e precisam do mercado.

Você que pretende ou já trabalha numa carreira empreendedora, está fazendo muito mais do que simplesmente movimentar a economia e desenvolver o mercado. Você é mais um ponto de revolução neste mundão que já não se sustenta com a visão de que homens possuem uma posição acima das mulheres por motivos infundadas e preconceituosas. E está sendo maravilhoso poder estar aqui, inspirando e sendo inspirada por cada empreendedora que coloca sua cara a tapa pra fazer acontecer, quebrar padrões e fazer todas nós crescermos.

Espero que este texto tenha te ajudado a se inspirar no seu dia a dia e que tenha te transformado pra melhor. Comenta aqui ou nas minhas plataformas sociais o que você achou! Compartilhe este texto para que outras mulheres (e homens também) se inspirem e se desenvolvam profissionalmente.

Um beijo, tchau!

nov 28, 2018

10 dicas para ter uma reunião produtiva

Opa! Tudo bom com você?

Quando a gente pensa em reunião produtiva, a gente logo pensa no inverso, em tempo improdutivo, não é mesmo? Isso porque muita gente não sabe lidar com reuniões, seja ela qual for.

Acontece que uma reunião interna ou de negócios pode e deve ser mais produtiva e terminar com um plano de ação definido. Eu vou compartilhar com você 10 dicas para ter uma reunião produtiva. Assim, suas ideias podem ser melhor aproveitadas e problemas podem ter soluções em menos tempo. Vamos lá?

1) Saiba claramente o objetivo da reunião

Independente se for um call ou uma reunião presencial, é importante sabermos claramente o objetivo pelo qual você e outras pessoas se reuniram. Parece bobo falar sobre isso, mas muitas das vezes, participamos de reuniões que possuem objetivos vagos ou sem sentido que só nos faz perder tempo valioso. Escreva o objetivo principal da reunião para ter a clareza do destino final da reunião.

2) Tenha uma pauta

Listar numa folha os tópicos que precisam ser abordados é importante para manter alta a objetividade da reunião e não haver perca de assunto. Nos distrair com outros assuntos que não se relacionam com o tema principal é muito fácil de acontecer. Se preciso, delegue uma pessoa para ficar responsável pelo foco dentro da reunião.

3) Numa negociação, saiba os objetivos do seu cliente

Caso você tenha que fazer uma reunião de negócios, conhecer bem seu cliente e seus objetivos. Como estamos falando de negociação, é importante haver um acordo entre as duas partes para termos resultado. Portanto, conhecer a necessidade e objetivos do seu cliente ajuda a ter uma comunicação mais produtiva.

4) Ter planos B, C e até mesmo D

Ainda no caso de uma reunião de negócios, é provável que surgirá uma objeção por parte do seu cliente. Conhecê-lo ajuda a construir alternativas boas de acordo.

5) Saiba ouvir o outro

Independente de uma negociação ou reunião interna, saber ouvir o outro, dar espaço para o outro falar, ser atencioso com as falas ajuda a construir uma imagem de confiança. Comunicar também é ouvir, então seja muito prudente nas interrupções.

6) Se reúna com quem realmente importa

Isso acontece muito! Sabe aquela reunião entre companheiros de trabalho, que o patrão chega e chama toda a sua equipe para falar de um tema importante realmente para umas 10 pessoas? Então, isto torna uma reunião muito improdutiva. Convoque aqueles que realmente irão contribuir com a reunião.

7) Tenha controle do tempo

Estipular o tempo de reunião e respeitá-lo evidencia uma imagem sua de autoridade e organização. Não chegue atrasada, nem ultrapasse o tempo definido pela organizadora.

8) Sua postura também vende

Seja como participante ou como alguém que está expondo/vendendo uma ideia, a sua postura influencia no seu esforço de convencer e argumentar. Uma postura torta, debruçada na mesa ou cadeira, não entrega uma imagem de autoridade. Dessa forma, dificilmente uma pessoa pode acreditar na sua palavra. Nossa linguagem também está em como nos gesticulamos e posicionamento fisicamente. Então, se atente à sua postura, ereta e ajustada a sua posição, seja ela sentada ou em pé.

9) O contexto influencia na sua linguagem

Falando em linguagem, é importante prestarmos atenção ao ambiente em que estamos. Quando estamos em um ambiente mais empresarial, com pessoas desconhecidas ou pouco conhecidas, nos adequamos usando uma linguagem mais formal, sem gírias. Quando estamos num espaço mais descontraído, com pessoas com um nível de intimidade maior, podemos usar a linguagem informal para nos comunicar. Fazer o contrário disto pode cortar o vínculo conversacional com quem está te ouvindo.

10) Sempre coloque suas ideias

Quando somos participantes, por vergonha ou algo do tipo, deixamos de expor nossas ideias, que poderiam contribuir com a reunião. Então, não deixe de expor seu conhecimento e ideias. Depois você pode sentir arrependimento por não ter contribuído da melhor forma.

É isso, meu povo! Compartilhei 10 dicas para ter uma reunião produtiva, mas ainda tem mais dicas para arrasar numa reunião. Conhece alguma que eu não falei? Conta pra gente!

Se você conhece alguém que tá precisando conhecer algumas destas dicas? Compartilha este conteúdo então! Você vai ajudar muita gente.

Um beijo, tchau!

nov 21, 2018

Entendendo a gestão de pessoas: Seja uma líder!

Opa, tudo bom?

O trabalho no empreendedorismo está muito próximo das relações e gestão de pessoas. Mas ainda é difícil para você aplicar isso na sua carreira?

Bom, não é por menos, a gestão de pessoas é um esforço que exige atenção em pontos intangíveis como comportamentos, reações e visão da compreensão de seus colaboradores. Mas entendo como a gestão de pessoas funciona, se torna mais fácil direcionar a sua atenção e compreender mecanismos de melhoria do ambiente de trabalho.

Acredito que você será uma boa líder!

Por isso, eu quero compartilhar com você os conceitos básicos para entender a gestão de pessoas e você crescer ainda mais como uma empreendedora conceituada.

A gente pode dividir os conceitos básicos da gestão de pessoas em:

  • Competência;
  • Complexidade;
  • Processo de desenvolvimento;
  • Transição de carreira.

Começando pela competência, vamos entender o que significa esta palavra no ambiente empreendedor?

Antigamente as instituições consideram uma pessoa competente, aquela que tinha um longo tempo de atividade na empresa, que tinha muito tempo de casa. Isso porque as atividades eram simples, na maioria das vezes eram repetitivas e sem inovação.

A partir da década de 90, este conceito foi se transformando aqui no Brasil, considerando uma pessoa competente aquela que consegue mais resultados para a instituição. Mas como enxergar uma pessoa que pode levar bons resultados para o meu business?

De acordo com a escola Americana, uma pessoa competente era aquela que tinha conhecimento e habilidades, simplesmente. Mas também chegou a escola francesa, com a visão de competência como alguém não só possui habilidades, mas que tem capacidade de agir para o resultado. Aquela pessoa que consegue mobilizar as habilidades para atender uma demanda do contexto que trabalha é, de acordo com a escola francesa, uma pessoa competente.

Mas aí você deve se perguntar: o que é demanda do contexto?

É simplesmente o conjunto de “problemas” que a pessoa que está em um determinado cargo deve atender e solucionar. Por exemplo, um padeiro tem como demanda do contexto produzir uma certa quantidade de pães para um período de tempo. Acontece que, conforme a demanda do contexto fica mais complexo, mais intangível fica a ação baseadas nas habilidades e competências do indivíduo. Por exemplo, perceber o impacto do seu trabalho para as outras pessoas que trabalham com você é uma habilidade bem mais intangível. Esta é uma visão sistêmica da demanda do contexto. Outro exemplo é quando percebemos que um trabalho realizado neste momento pode surtir um efeito negativo daqui a 2 anos. Esta é uma visão estratégica da demanda do contexto.

Hoje, não basta somente ter habilidades. Saber como usá-las e estabelecer as ações de acordo com os valores da instituição é importante para construir um ambiente de trabalho favorável e promissor.

Em contrapartida, nós como gestores de pessoas devemos construir um ambiente de organização que seja favorável para que os colaboradores apliquem suas capacidades, dentro dos valores da instituição. Comunicar de forma clara as expectativas de entrega é uma das ações que o gestor pode e deve fazer para que os colaboradores entendam de forma clara as demandas do contexto cada vez mais intangíveis, além de um ambiente favorável para realização do trabalho.

Agora, falando sobre a complexidade, é necessário entendermos que, conforme a complexidade das atividades vai aumentando, o valor agregado à instituição também vai aumentando, melhores resultados serão vistos no empreendimento. Acredito que você tenha buscado maiores responsabilidades na vida, mais do que 2 anos atrás, por exemplo. Certo? Com isso, a sua visão sobre a vida e as pessoas mudou, não é verdade? Não que fosse ruim, mas seu comportamento muda por conta da mudança do seu ponto de vista. É assim que funciona a complexidade no trabalho. Conforme vai crescendo em um empreendimento, sua visão das pessoas e da empresa muda e suas ações internas também vão mudando. Este ambiente todo que mostrei para você se resume, na gestão de pessoas na palavra desenvolvimento. Uma pessoa se desenvolve conforme vai incorporando novas responsabilidades e atividades mais complexas, afim de conquistar satisfação profissional, se sentir importante no business, entre outros motivos que trazem benefícios, além do ônus da complexidade.

E com o crescimento do desenvolvimento de um indivíduo na instituição também tem uma visão operacional definida como carreira. O crescimento do desenvolvimento, das complexidades, vai definindo para gente a visão de uma carreira.

Tá, mas o que isso ajuda na gestão?

Bom, imagina que você tem o trabalho de analista júnior. Conforme vai atuando, vai adquirindo mais responsabilidades, a complexidade aumenta, desafios são vencidos. É natural que você não se sinta mais uma analista júnior, mas sim uma analista sênior. No entanto, a empresa mantém seu “rótulo” de júnior. Querendo ou não, nos importamos com isso. E, por um motivo qualquer, você decide ir para uma outra organização. Lá você realiza as mesmas coisas que fazia na outra empresa. A diferença é que você recebe o “rótulo” de analista sênior. Isto quer dizer que o líder desta segunda organização a reconhece melhor do que o líder da primeira empresa? De certa forma, sim. E isto faz a diferença na gestão de pessoas e no desenvolvimento do seu conjunto de colaboradores.

A gestão da complexidade também interfere na qualidade do trabalho e também diretamente na vida do colaborador. É muito comum acontecer de ocuparmos um posto de trabalho e recebermos mais e mais responsabilidades ao longo do tempo. Em algum momento nós não resistiremos à pressão que carregamos e afetará o trabalho ou nossa própria saúde. É por conta disto que gerir a carreira é importante para decidirmos, por exemplo, quando devemos transformar uma equipe única em dois grupos atuantes no setor, ou reorganizar os colaboradores de um setor.

Um fator que, através de pesquisas, foi verificado é que conforme um profissional é capaz de agregar mais valor à instituição, maior é sua remuneração. Isto acontece porque a relação é baseada na oferta e demanda, um fator microeconômico. Se eu preciso de um profissional altamente especializado, devemos ter em mente que a oferta de mão de obra deste nível é rara e, portanto, devemos remunerar mais.

Bom, a gente viu que, conforme o profissional vai adquirindo mais complexidades, vai crescendo sua carreira e, consequentemente, vai aumentando sua remuneração. Mas como funciona o processo de desenvolvimento?

O que foi observado em pesquisas no Brasil e no exterior foi que a pessoa vai adquirindo maior complexidade no trabalho na mesma relação em que ela consegue ampliar sua visão do contexto, seu nível de abstração. É importante observa que esta relação acontece simultaneamente. E o que faz uma pessoa aumentar seu nível de abstração? É a vivência e a formação.

Bom, observando isto, podemos ver que não dá para alguém crescer se não houver algum desafio na vida que nos faça ganhar maior vivência e maior formação para que, passado os desafios, ganhemos mais capacidade de abstração e assim continuar o processo de ganho de complexidade no trabalho. Como esta constatação, a gente pode ver que fazer a mesma coisa sempre e esperar resultados diferentes é insanidade e que observar os desafios da nossa vida como formas de se desenvolver é muito mais saudável. Nossa postura se torna mais responsável e temos mais chances de crescer.

Como gestor de pessoas, é importante construir um ambiente de desafios para que sua equipe possa ter meios de crescer. Nem sempre isto é confortável. As pessoas podem achar que não são capazes de crescer e possuem conflitos que fazem ver o desafio como algo ruim para ele. No entanto, é dever do líder fazer a equipe observar nos desafios como forma de desenvolvimento, além de formar um ambiente de alinhamento de equipe, de fortalecimento da sintonia entre os integrantes de um setor.

Falamos sobre competência, carreira e desenvolvimento. Vamos falar agora na transição de carreira.

Vimos como funciona o desenvolvimento e que isto altera a carreira do profissional. Agora veremos como funciona a transição de carreira. Imagine que um profissional mude de carreira e tenha um emprego novo. Esta pessoa pode se encontrar em um ambiente novo, mas terá capacidade de adquirir um nível de complexidade igual ao que tinha no emprego antigo. Ela vai se adaptar muito mais rapidamente. O que está relacionado a isto não é suas habilidades, seu conhecimento, mas sim a sua capacidade de usar seus recursos para o trabalho que está responsável, ou seja, seu nível de abstração. Então, podemos ver que o que importa mesmo é o que o profissional é capaz de realizar com o que sabe, e não simplesmente o seu conhecimento, suas habilidades. A vivência tem fator relevante para o profissional!

Dentro do seu empreendimento, haverá profissionais que se destacarão e, inevitavelmente terá a chance de ser promovido. Por exemplo, ele trabalha na área técnica e poderá ser promovido para a área gerencial daquele setor. Ele viverá uma transição de carreira e isto não é tão fácil assim. Na verdade, de acordo com estudos, é comparável o estresse de uma transição de carreira com uma separação conjugal. Então, como gestora de pessoas, é fundamental que você perceba este possível ganho de estresse do profissional e construir um ambiente em que o profissional conheça melhor o posto de trabalho que irá trabalhar no futuro. O que geralmente é feito e é muito prejudicial para o colaborador e para a instituição é colocar este profissional no novo posto de trabalho e ver no que vai dar. Se não der certo, você diz que não deixou de dar a oportunidade, se deu certo, fico satisfeita pela decisão. Por isso, mostrar de forma gradativa o novo ambiente de carreira é vantajoso. Isso também se reflete em mudanças de carreira do nível gerencial/tático para um nível de diretoria/estratégico. O processo sucessório ajuda o profissional a se adaptar ao conjunto de complexidades e demandas do contexto e consegue construir um conjunto de ações que as atendam.

Assim, a gente termina essa introdução e espero que saia daqui entendendo a gestão de pessoas um pouquinho mais. Há muito a ser falado sobre gestão de pessoas. Caso goste do tema, comenta lá no @elasonhaelafaz que eu produzo novos textos para você se desenvolver ainda mais como uma gestora de pessoas e ser uma ótima líder.

Conhece alguém que precisa ler este conteúdo? Compartilha então e amplie esta comunidade linda de colaboração do empreendedorismo feminino. Ajude outras mulheres a sonhar e fazer acontecer!

Um beijo, tchau!