jan 9, 2019

Design Thinking pode salvar meu negócio?

Opa, tudo bom?

Do sonho até a realidade, um caminho desafiador deve ser percorrido. Compreender estes desafios para criar soluções inovadoras é a forma que toda empreendedora deseja atuar na sua carreira.

Graças ao estudo e vivência de administradores, gestores e estudiosos, foram criadas alguns métodos para se alcançar a tão sonhada inovação, que não é fácil de alcançar, diga-se de passagem!

Hoje eu vou apresentar para você o Design Thinking, um método de reflexão e criação de soluções criativas para que você possa implementar no seu negócio. Vamos lá?

Pra começar, o que é Design Thinking?

Segundo Charles Burnette:

É um processo de pensamento crítico e criativo que permite organizar informações e ideias, tomar decisões e adquirir conhecimento.

Este processo de pensamento coloca como centro as necessidades e comportamentos das pessoas para entender situações e a partir disso criar formas de solucionar problemas encontrados. Dessa forma, conseguimos adotar um novo olhar para os problemas que ocorrem nos negócios, com uma postura mais empática.

Como é um processo que se baseia na experiência e necessidades das pessoas, é importante que as ações tomadas dentro da abordagem do Design Thinking sejam em grupo. Reunir stakeholders para adquirir soluções criativas é o caminho proposto pelo Design Thinking, além de ir à fundo nas experiências de todas as pessoas envolvidas no processo e liberdade de criar soluções inovadoras, na sua essência.

Design Thinking

Este processo pode ser dividido em partes que não são sequenciais. Assim fica mais fácil de entender todo o processo.

Imersão

Nesta parte da abordagem, em resumo, vamos ir ao encontro de informações para serem analisadas. Como o Design Thinking é baseada nas pessoas, é importante realizar pesquisas com pontos de vista diferentes, ou seja, multidisciplinaridade é importante e deve ser explorada para conseguir observações mais amplas de uma realidade.

Através de uma pesquisa profunda, é possível fechar um problema e separar pontos adquiridas nas pesquisas que levantem questões importantes para pensar sobre o problema. O que é feito, geralmente, é escrever em cartões estes pontos para que o grupo possa manusear com mais flexibilidade.

Análise

Após a coleta de informações, através de diferentes pontos de vista e se aprofundar na pesquisa, é hora de organizar as informações. Nesta parte, a abordagem sugere que criemos padrões através das informações adquiridas, sempre correlacionando com o problema em questão. Usar da linguagem gráfica para montar mapas conceituais ou cartões de insights é recomendado por esta abordagem, já que estamos trabalhando em um grupo multidisciplinar.

Além de reconhecer padrões e observar insights nos dados adquiridos, é recomendado refletir nas diretrizes do projeto, a fim de traçar uma diretriz. Como vamos trabalhar com o máximo de liberdade criativa, devemos ter algo que nos coloque da direção que queremos seguir.

Ideação

A partir dos insights que conseguimos ao organizarmos as informações adquiridas, vamos nos aprofundar na reflexão e tornar o processo um pouco mais palpável. O público-alvo do projeto deve ser incluído para que apresentemos os esboços das soluções criadas e conseguir ainda mais insights e criar soluções que atendam realmente o público-alvo. Algo que é bastante feito neste processo e que também é feito nas agências e setores de comunicação é o Brainstorming. Um processo de captura de reflexões e ideias de um determinado tema, com extrema liberdade de pensamento e sem julgamentos. Assim, o resultado fica mais rico e diverso.

Prototipação

Após estas partes onde a reflexão e criação foram a chave, é tempo de ir para a ação. Toda criação de insights e soluções devem ser validadas. Para isso, faremos protótipos das inovações criadas através do Design Thinking o observar o feedback do público-alvo. A validação e eventuais ajustes devem ser coletados e implementados nos protótipos para que o resultado final atenda às necessidades do target.

Dando tudo certo, faça o lançamento da sua solução inovadora!

A abordagem do Design Thinking nos revela que, em tempos de dados estatísticos, resultados imediatos, retorno máximo de investimento e toda pressão que envolve este ambiente, existe uma lacuna que só a liberdade criativa e a visão empática pode ocupar e até mesmo prevalecer nas decisões de negócio.

Será mesmo que vamos nos render aos números, automações, decisões frias e calculadas ou vamos manter a humanidade nos negócios?

Espero que tenha gostado deste conteúdo e que possa contribuir para o crescimento do seu negócio! Compartilhe este conteúdo com mais pessoas e mostre a elas como a visão mais humana nos negócios pode ser rentável. Quer sugerir alguma dica, tirar dúvidas ou fazer críticas? Vai lá no perfil do instagram!

Um beijo, tchau!

Deixe seu comentário!