out 30, 2018

Fazendo pesquisa para atuar no mercado. É possível?

Opa, tudo bom?

Vivemos uma era que receber e entregar informações se tornou muito mais acessível para instituições e a população em geral. Para o empreendedorismo, se torna praticamente uma revolução! Muda totalmente a forma de enxergar negócios e mercado como todo, tanto que hoje vemos uma infinidade de segmentos de mercado e negócios crescendo em cada um deles, sendo ativamente participativo e posicionado. Incrível, né?

Mas para chegar até um segmento de mercado, temos que nos informar. O espaço para a intuição sempre vai existir, mas se valer do máximo de informações possíveis para tomar decisões se torna cada vez mais necessário. Então a gente faz o quê? Pesquisa!

Aqui neste texto eu vou tentar simplificar ao máximo essa etapa para que você comece seu projeto atendendo de forma real o segmento de mercado que escolheu atuar. Vamos lá?

Bom, para começar, montar uma pesquisa de mercado é importante para que você observe de forma mais clara um recorte do momento atual que o segmento se situa. Assim, você consegue perceber as nuances que clientes, concorrentes, fornecedores e parceiros vivem. Fica bem mais fácil tomar decisões e você não se sente dando um tiro no escuro.

As etapas para que você tenha decisões pautadas em informações são:

  • Definição do Público-Alvo e do Objetivo da pesquisa
  • Como coletar os dados? – Dados primários ou Secundários?
  • Dados primários: Qual será o método? – Qualitativa ou quantitativa?
  • Definição da amostra
  • Elaboração dos instrumentos de pesquisa
  • Aplicação da pesquisa
  • Tabulação de dados
  • Relatório final
  • Tomada de decisão

Pode parecer complicado, mas entendendo as etapas, fica bem fácil de aplicar.

 

Definição do Público-Alvo e do Objetivo da pesquisa

A primeira etapa serve para direcionar todo o trabalho a seguir. Definir o público-alvo nada mais é do que especificar que grupo você pretende abordar para pesquisar. É essencial para que a pesquisa seja fiel aos objetivos de pesquisa. Falando nele, precisamos também definir objetivos para a pesquisa, não é mesmo? Onde quero chegar com esta pesquisa? Que perguntas a pesquisa deve responder? Que problemas pretendo resolver com os resultados desta pesquisa? Estas são perguntas que devem ser respondidas com bom senso, para que você não faça trabalho atoa. Nosso tempo é valioso, né?

 

Como coletar os dados? – Dados primários ou Secundários?

Depois de dar um norte ao nosso trabalho, vamos pensar em como iremos atrás destes dados. Temos duas formas para isso:

Dados primários: Nada mais é do que começar do zero a coleta destes dados, elaborando os instrumentos, tabulando os dados e tirando conclusões com estes dados. É a pesquisa do zero.

Dados secundários: É a coleta de dados através de pesquisas já feitas. É uma bela economia de tempo se você encontrar dados que atendam aos objetivos da sua pesquisa. Caso os dados secundários não consigam responder todas as perguntas que a pesquisa deve responder, junte com os dados primários para obter um material mais rico.

 

Dados primários: Qual será o método? – Qualitativa ou quantitativa?

Esta etapa aprofunda um pouco mais sobre o planejamento que fizemos anteriormente. Caso tenha decidido por realizar sua pesquisa com dados primários, precisamos pensar em que tipo de informações queremos. Vou explicar melhor. O que eu quero é dados numéricos, que mensuram quantidade, ou eu quero informações intangíveis, como emoções, sentimentos e percepções sobre algo? Para cada tipo, temos um método. A pesquisa quantitativa trata de dados numéricos, estatísticos, sobre um determinado tema. Dados como gasto mensal, horas de uso de internet, preço médio que gasta em um produto, etc. A pesquisa qualitativa trata de coleta de percepção, reações, sentimentos, valores intangíveis. Dependendo dos seus objetivos, será necessário utilizar um, outro ou os dois métodos. Sempre de acordo com seus objetivos.

 

Definição da amostra

Quando a gente vê por aí informações de pesquisas, geralmente vemos assim, por exemplo: 40% do público gasta mais de 40 reais em e-commerce. Agora, um detalhe importantíssimo que raramente vemos associado é quem é o grupo que respondeu a pesquisa. Isso esclarece muito o entendimento dos dados. E é este detalhe que precisamos nos atentar, para que não tenhamos erros de interpretação e, consequentemente, tomadas de decisões erradas. Mas pra isso, vou explicar do que se trata essa etapa.

Lembra que lá no começo você definiu um público-alvo? Este agrupamento é generalizado para trabalharmos com uma pesquisa. O melhor jeito de contornar isso é definindo uma amostra deste agrupamento, que é chamado de universo. Dessa forma, a tabulação dos dados obtidos na pesquisa se torna mais confiável, já que você sabe da onde vieram. Por exemplo, com o universo de mulheres, entre 30 e 55 anos, com curso superior completo, residentes na região centro-oeste, você pode estruturar uma amostra de mulheres da classe C, residentes do Mato Grosso. Assim, fica mais claro para você tomar decisões baseado na pesquisa.

 

Elaboração dos instrumentos de pesquisa

Como fazer a pesquisa é uma pergunta que vai passar ou já passou pela sua cabeça. Eu vou tentar explicar de forma simples para você. Para pesquisas quantitativas e qualitativas, temos:

  • Entrevista
  • Questionário
  • Observação

Cada instrumento tem suas características que podem contribuir ou podem atrapalhar o processo. É importante que você conheça cada um e escolha a mais adequada para a sua pesquisa. Aqui ficaria muito extenso falar sobre cada um deles, então deixo para você este dever de casa!

 

Aplicação da pesquisa

Já que você decidiu qual instrumento de pesquisa usar, agora você finalmente vai realizar a pesquisa! Caso você aplique a pesquisa de forma online, tem várias formas para isso. Por exemplo, o Google oferece uma plataforma para você montar questionários que são entregues já tabulados, em forma de dados estatísticos. É bem prático! Você pode enviar esta pesquisa por Whatsapp, Facebook, E-mail, Direct… encontre o melhor canal, online ou offline, e faça os dados aparecerem!

 

Tabulação de dados

Agora que você conseguiu os dados da sua pesquisa, é hora de trata-los para que fique fácil compreendê-los. Para isso, você precisar tabulá-los. Esta etapa é importante e maçante, porque você deve ter atenção para organizar tudo e ser criativa para relacionar perguntas e suas respostas para conseguir novos insights.

Se suas perguntas foram fechadas, ou seja, se elas necessitam de respostas definidas, vai ser bem fácil para tabulação. O Excel te ajuda bastante nesta parte!

Caso você tenha usado perguntas abertas, que necessitam de respostas mais pessoais e amplas, fica mais difícil a tabulação. Mas com isso, você tem a possibilidade de mais insights, através de cruzamentos de perguntas. Você também pode classificar as respostas de forma semântica, apontando o que foi falado em cada resposta. Assim, você pode identificar que pontos foram mais citados. O importante é que você faça essa tabulação com atenção para que você possa interpretar os dados de forma clara e ter o máximo de ajuda possível para tomar as decisões necessárias.

Relatório final

Com a tabulação pronta, é hora do relatório final. Aqui você vai construir um texto informando os dados da sua pesquisa, o método usado, o universo, a amostra e conclusões relevantes para o processo. Mas você pode se perguntar: Patricia, porque eu tenho que fazer um relatório? Bom, você não é obrigada! Mas caso você queira que instituições ou pessoas invistam no seu projeto, você precisará mostrar dados que deem credibilidade. Isso inclui o relatório final de pesquisa de mercado!

Tomada de decisão

Com as conclusões feitas, você e/ou sua equipe terão informações suficientes para que possam tomar as decisões necessárias. Aqui, como qualquer aspecto da carreira, temos a base racional, através dos dados, informações e números, e temos a base intuitiva, que é o que você sente, baseada nas suas experiências profissionais e vivências. Vai ter momentos que um vai pesar mais que o outro. É importante que, independente do que vai fazer, se vai focar mais na intuição, mais nos números, ou por igual, que acredite com força na decisão tomada. Seu negócio, sua equipe, seus parceiros e colaboradores dependem disso. Como havia dito em um post, enquanto tiver confiança, tenho chances de crescer. Vai com fé, vai com razão, só vai!

Espero muito que este conteúdo tenha te ajudado.

Nos vemos por aí com mais conteúdo relevante para o seu empreendimento, seu empoderamento e autonomia. Compartilhe este texto com outras pessoas e ajude-as a se desenvolverem no empreendedorismo. Comenta aqui caso tenha dúvidas, sugestões de tema ou se quiser só dar um alô.

Um beijo, tchau!

Deixe seu comentário!