Arquivos da tag: negócios

ago 28, 2018

Como usar o whatsapp como canal de venda

Opa, tudo bom?

Quando pensamos em e-commerce, temos em mente um site como canal de venda, não é mesmo? Porém, temos outros canais de vendas que podem ser tão bons quanto um site.

Hoje eu vou mostrar como usar o whatsapp como canal de venda. Vamos lá?

Primeiramente, é preciso entender que o whatsapp é um aplicativo de mensagens instantâneas. Quer dizer que as pessoas irão entrar em contato em diversos horários e esperam que sejam atendidas de forma ágil. Então, se você não possui tempo para isso, delegue esta função para alguém que tenha desenvolvimento em atendimento comercial e tenha tempo disponível.

Outro ponto importante é estabelecer, de forma clara, um horário de atendimento. Dizer aos clientes que a partir de certo horário o atendimento não irá ser feito é um meio transparente de se relacionar com eles. Isso é muito importante em qualquer forma de comunicação.

A participação deste aplicativo no cotidiano das pessoas é muito forte. O E-Commerce Brasil e o Sebrae, em 2016, realizaram uma pesquisa e constataram que 35% das vendas online são fechadas via whatsapp e 50% dos E-Commerces brasileiros usam o whatsapp como canal de atendimento pré e pós-venda.

Bom, agora que já sabemos do que se trata o whatsapp e sua participação no mercado, vamos ver como que este aplicativo funciona a favor do seu negócio. Vamos mencionar funcionalidades supondo que você já saiba a base do aplicativo (envio de mensagens e compartilhamento de audiovisual).

Lista de transmissão

É um recurso valioso para organizar a sua comunicação e seus respectivos ouvintes recebam somente o que lhe interessam. Esta função possibilita organizar contatos em agrupamentos e enviar mensagens como se fosse um disparo automático de email. É uma forma de otimizar seu tempo e o relacionamento com sua marca. Nesta função, é fundamental a organização com seus contatos!

Interface no seu notebook ou desktop

É possível usar o whatsapp no seu notebook ou desktop! Assim, você não precisa ficar pegando o celular o tempo todo, basta ir até a aba do site, no seu navegador. Basta acessar este link e captar o QR code para vincular seu número de contato com o navegador. Simples, né? O recurso possui todas as funções que você já tem no seu celular, como compartilhamento de mídia, lista de transmissões, etc. Para quem trabalha online e também é responsável pelo comercial, é uma praticidade enorme!

Stories no Whatsapp

Assim como no Instagram e no Facebook, o Whatsapp também possui o recurso stories, onde é possível compartilhar imagens que ficam ativas em até 24h. Como forma de manter uma presença próxima do público, é um recurso bem valioso. Além disso, como o uso do aplicativo está cada vez mais inserido na sociedade, acaba sendo um ótimo canal de propaganda. No entanto, somente quem possui seu contato pode ver as histórias. Então aconselho investir em outros canais para captar novos contatos para prospecção, pré e pós-venda.

Como usar o whatsapp como canal de vendas? - #elasonhaelafaz

Leve conteúdo relevante para os seus contatos

Como você já sabe, o aplicativo permite que você compartilhe imagens, vídeos, áudios, arquivos de texto e ligações de voz ou vídeos. Por isso, é importante que você construa um canal relevante para os seus contatos através de conteúdo relacionado ao seu negócio. Por exemplo, se o seu business está no mercado turístico, invista e conteúdo sobre o local que você trabalha, pontos que agreguem mais valor ao seu empreendimento. Se você trabalha com doces e bolos, compartilhar inspirações para decorações de festa ou temas. Sempre estudando o gosto do seu público para levar relevância para o seu canal de comunicação.

Perfil para negócios

O whatsapp business foi criado para atender negócios que usam o whatsapp como canal comercial. Por isso, ele fornece mais recursos como classificação dos contatos por etiqueta, organizando seu público e otimizando sua comunicação, uma descrição do seu perfil mais alinhado para o seu negócio, com horário de funcionamento, endereço, e-mail e site; mensagens automatizadas para agilizar o seu contato e estatísticas do fluxo de mensagens. Tudo isso para você ter uma visão mais ampla do esforço de comunicação e sua atuação no setor comercial.

Depois destes pontos, me diz uma coisa: Vai usar o whatsapp como canal de venda do seu negócio?

Se gostou do texto, compartilhe para ajudar mais pessoas a realizarem o sonho de abrir seu próprio negócio. Comente aqui embaixo sobre mais dicas com o whatsapp, experiências e sugestões de conteúdo.

Um beijo, tchau!

ago 1, 2018

4 empreendimentos como ponto de transformação

Opa, tudo bom?

Temos vivido a oportunidade de inserir no nosso modo de consumo os nossos ideais de transformação da sociedade, da política, economia, entre outros segmentos. Isso é revolucionário! Está nas mãos de clientes e empresas de arregaçar as mangas e tornar real a mudança que você quer para o mundo.

Bom, isso é muito bonito não é mesmo? Mas até onde podemos ir para tornar nosso empreendimento como ponto de transformação? É isso que quero mostrar com 4 marcas de cosméticos que levantaram a bandeira da proteção do meio ambiente.

Multi Vegetal

A empresa iniciou seus trabalhos atuando como uma alternativa à produtos que causavam inflamação na pele no pós-barba e, com o sucesso do produto, a empresa foi ampliando sua cartela de cosméticos. A Multi Vegetal possui uma linha vegana, livre de parabenos, corantes, carbômeros, etanolaminas, lauril-sulfatos, silicones, fragrâncias artificiais, ingredientes de origem animal e derivados de petróleo. A empresa está na ativa desde 1990 sendo um empreendimento como ponto de transformação!

Weleda

Esta empresa de origem suíça está na ativa desde 1921 sendo um empreendimento como ponto de transformação, com o diferencial de atuar com ingredientes naturais, no segmento de produtos holísticos e produtos farmacêuticos para a terapia antroposófica. Possui alguns valores como a valorização dos recursos limitados do planeta, atuação conjunta com a diversidade cultural e o reconhecimento do fator espiritual para o tratamento do ser humano refletido na pesquisa e desenvolvimento.

Lush

A Lush é uma empresa de cosméticos da Grã-Bretanha que surgiu nos anos 90, também por conta de efeitos adversos de produtos de pele. Através desta oportunidade de negócio, a Lush desenvolveu produtos como shampoo em barra, com aromas exclusivos. Além disso, todos os produtos são livres de testes em animais e 100% veganos, ou seja, não utiliza nenhum ingrediente de origem animal.

Sal da Terra

A empresa brasileira conserva a produção artesanal, feita em pequenos lotes. Esta forma confere o diferencial de lidar com produtos 100% naturais, aromatizados com óleos essenciais e atuação de produtos para crianças, adultos e animais! Além disso, a Sal da Terra também atua com produtos para quem faz Low e No Poo, livre de parabenos e silicones insolúveis, além de ter uma linha de produtos veganos. No site da empresa tem conteúdo para quem está começando a conhecer estes produtos e seus resultados, com um cuidado bem grande com as experiências iniciais.

Bom, o que não falta é exemplo de empreendimentos como ponto de transformação, não é mesmo? Independente de seus ideais, é possível inseri-las no seu empreendimento, torna-la um ponto de transformação real do mundo, além de fortalece-la no quesito diferencial de Marketing! Espero muito que tenha gostado do conteúdo. Compartilhe com suas amigas e veja você ser uma inspiração para outras mulheres empreendedoras. Comente aqui embaixo se você conhece outras marcas com ideais transformadores!

Um beijo, tchau!

*****

Assine a newsletter e receba informações valiosas

sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.

http://bit.ly/ListaDaPatri

jul 16, 2018

você pode aplicar o capital de giro no negócio?

Opa! Tudo bom?

Quando o assunto é abrir o próprio negócio, muitas perguntas surgem e, consequentemente, várias dúvidas aparecem, não é mesmo? Mas, como boa amante da mão na massa e acredito que você também seja, vamos realizando enquanto aprendemos. Mas quando o assunto é finanças, não podemos dar o luxo de ir aprendendo com os erros!

Por isso, para que você possa começar seu empreendimento sem perder dinheiro, vou explicar como você pode aplicar o capital de giro no negócio. Vamos lá?

Pra começar, que negócio é esse de capital de giro, Patricia?

É um montante de dinheiro reservado para o período de tempo entre o pagamento dos seus fornecedores e a compra do seu produto/serviço. Os custos além dos fornecedores virão e seu empreendimento precisa estar preparada para cobri-los. Afinal, dinheiro não cai em árvore!

Um ponto muito importante é que para que você comece a formar o capital de giro, é necessário que o controle financeiro do seu negócio esteja em dia! Tem texto falando sobre isso aqui e aqui. Sabendo disso, agora devemos calcular quando precisamos e por quanto tempo vai durar este período até entrar mais dinheiro no caixa.

Mas calma! Saber isso é mais simples do que você pensa.

Para aplicar o capital de giro no negócio, vamos dar uma olhada no prazo que você tem para pagar suas contas. Por exemplo, você deve ter uma parte com 30 dias de prazo e outra parte com 20 dias. Tirando a média, você tem 25 dias de prazo médio das contas a pagar.

Depois disso, vamos ver como você recebe dinheiro das vendas. Existe um prazo para que seus clientes te paguem? Como funciona isso no seu negócio? Por exemplo, sua empresa tem metade dos recebimentos recebidos à vista e outra metade com 30 dias de prazo. Faremos, então, uma média entre estes prazos, que neste caso dá 15 dias de prazo médio de recebimento dos clientes.

Agora podemos saber o período de tempo que o capital de giro deve cobrir seu negócio. Basta encontrarmos a diferença entre o prazo médio de pagamento e o de recebimento, que neste exemplo deu 10 dias.

Agora você tem uma noção da média de tempo que seu negócio fica sem dinheiro girando para poder cobrir seus custos. Falando em custos, ainda falta saber quanto você precisa para cobrir estes 10 dias sem capital e aplicar o capital de giro no negócio.

Começando pelos custos fixos, quais o seu empreendimento possui? Aluguel, conta de água, luz, telefone, internet… Veja quais são os custos que sempre virão e some estes valores. Assim, você terá o custo fixo mensal.

Depois, vamos ver os custos variáveis. Estes são os custos que dependem do movimento do seu negócio, como matéria-prima, impostos de vendas, entre outros. Faça uma estimativa destes gastos.

Agora que você sabe quanto o seu negócio tem de custo fixo e variável, faça uma média diária com a soma destes custos. Quanto por dia sua empresa precisa para manter estes custos pagos? Conseguiu saber? Ótimo! Agora você vai multiplicar este valor diário pelo número de dias do prazo médio de capital, que vimos anteriormente, lembra?

E agora, Patricia. Eu sei quanto é o meu capital de giro?

Falta pouco! Para aplicar o capital de giro no negócio e funcionar e trabalhar bem, precisa ter um estoque mínimo não é mesmo? Imagina se seu estoque acaba antes do previsto? Como você vai vender? Para isso não acontecer, estabeleça o estoque mínimo para que seu empreendimento funcione bem e veja o quanto isso irá te custar. Depois de descoberto o valor, some com a média diária e aí sim você terá o seu capital de giro!

Com estes dados, você terá mais tranquilidade para lidar com os momentos em que não há entrada de dinheiro no caixa e continuar atuando com o que mais gosta! É importante que você continue mantendo o seu controle financeiro em dia para que possa ajustar o capital de giro de acordo com a atividade do seu negócio. Tenho certeza que isso será de grande ajuda para o crescimento do seu sonho!

E aí, gostou do conteúdo? Compartilhe com outras pessoas. Elas podem gostar tanto quanto você! Tem alguma dica ou sugestão? Comente aqui embaixo que terei o prazer em ler!

Um beijo, tchau!

*****

Assine a newsletter e receba informações valiosas

sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.

http://bit.ly/ListaDaPatri

maio 28, 2018

Você já pensou em ser uma franqueada?

Opa, tudo bom? Deixa eu perguntar: Você já pensou em ser uma fraqueada? Aqui eu vou explicar para você o que é, como funciona e se há possibilidade para você trabalhar assim. Vamos lá?

A gente ouve muito por aí a palavra franquia, não é mesmo? O modelo de negócio que estamos falando é bem famoso e já se espalhou pelo Brasil. Mas ainda tem gente que não entende muito bem o que significa esta palavra, além de ter dúvidas sobre como funciona. Por isso, eu vim para explicar tudo e descobrirmos juntas se este modelo poderá ser utilizado por você para empreender.

Se você já pensou em seu uma franqueada, deve ter pensado o que é Franquia, não é mesmo? De modo bem simples, é um modelo de negócio onde uma empresa que possui uma marca, patente, faz a concessão de uso para que outra empresa utilize a marca e o modo de produção. É uma forma da franqueadora ganhar território e promover uma estrutura produtiva e de marca pronta para empreendedoras e empreendedores.

Você já pensou em ser uma fraqueada? #elasonhaelafaz

É assim: Um contrato de concessão estabelecido entre as partes onde a Empresa dona da marca/patente libera os direitos de uso da marca ou produto/exploração comercial do que foi desenvolvido pela dona da marca. Quando se estabelece este vínculo, o empreendedor precisa receber treinamento adequado para reproduzir de forma fiel o produto, serviço, ponto de venda e uso da marca.

Há diversos termos que caracterizam a estrutura de Franquia. Vou falar alguns para você:

  • Royalty: Remuneração periódica paga pelo empreendedor que recebeu a concessão pelo uso da marca e serviços prestados pelo franqueador.
  • Taxa inicial: É a taxa de franquia que é paga logo após a assinatura do contrato. É um valor único estipulado para entrar no sistema.
  • Fundo de Propaganda: É um montante reunido pelo franqueado para adquirir materiais de marketing e propaganda conforme as regras de utilização da marca. Todo franqueado paga para manter este fundo e assim beneficiar toda a rede.
  • Conselho de Franqueados: Grupo de franqueados e o franqueador que se consultam e administram, sobretudo, o fundo de propaganda.

Depois de apresentar o básico do funcionamento de uma franquia, você pode estar ainda com dúvidas sobre que caminho seguir. Eu sei que você tem um sonho e deseja realiza-lo, mas a possibilidade de abrir um negócio que já tem uma estrutura consolidada pode atrair muito! Vamos comparar aqui as características de cada caminho.

Negócio próprio:

O ponto principal é a liberdade de lidar com o negócio da forma que você quiser. Não há franqueador para reportar ou estrutura para seguir. Você montará o seu negócio de acordo com o seu senso. Isso também requer mais responsabilidade! Além disso, é por você a conta de criar a marca, ter a ideia do empreendimento e criar ações de marketing para impulsionar o seu business. Isso requer a competência adequada para o sucesso do seu sonho.

Franquia:

Você começará a partir de uma marca estrutura testada, além de ter ajuda com ações de publicidade. É uma forma menos arriscada de começar, mas têm seus riscos como qualquer negócio. No entanto, você tem mais rigidez no comando, por conta da estrutura de negócio já formada e questões a serem cumpridas. A verificação do andamento da sua administração é algo que vai acontecer, fique sabendo! Mas tudo isso também vem com ajuda na abertura da empresa e em decisões como local do estabelecimento e treinamento.

São características que você, como empreendedora, deve avaliar para escolher algo que se alinhe com a sua forma de trabalhar. Você já pensou em ser uma fraqueada? Em ambas as partes a sua dedicação e profissionalismo vão ser bem requeridas. Caso queira saber mais, nesse link tem uma webnar do SEBRAE que vale a pena ver.

Espero que goste do conteúdo! Me avise aqui nos comentários se você quer ver mais conteúdo relacionado ou outro tema. Compartilhe este texto com quem achar importante! Será de ajuda para estas pessoas.

Um beijo, tchau!

mar 14, 2018

Como organizar a produção do meu produto?

Opa, meu povo! Tudo bom com vocês? A pergunta “Como organizar a produção do meu produto?” é ainda sem resposta para as pessoas. Mas aqui, vou te dar umas dicas para organizar seu negócio da forma mais adequada. Vem ver!

De uns tempos para cá, temos percebido muitas mudanças tecnológicas, não é mesmo? No nosso cotidiano, a gente consegue observar as inovações e novos produtos que estão em lançamento. De forma geral, podemos ver que são apresentadas diversas possibilidades de produtos, numa escala reduzida.

Você tem muitas opções de produtos, mas tem pouco estoque por aí. Isso se dá pelo comportamento mais criterioso do consumidor, que direciona a forma que lidamos com bens e serviços e impulsiona transformações no modo de produção.

Agora, partindo para o seu negócio ou futuro negócio, fica a dúvida: Como organizar a produção do meu produto? Vou te dar algumas dicas e depois você observa qual é a melhor forma para o seu business. Vamos lá?

A primeira forma de produção é umas das primeiras formas concebidas. Lá no início da Revolução Industrial, um dono de fábrica de carros pensou numa forma bem legal de produzir seus carros.

Através de três conceitos, ele formou uma linha de produção rápida, produtos bem mais baratos e acessíveis, mas que tinha pouquíssima possibilidade de customização. Os três conceitos são:

  • Intensificação: Diminuir o tempo de produção, fazendo com que o trabalho vá até o colaborador.
  • Economicidade: O objetivo era diminuir o estoque de produtos feitos diminuindo a quantidade de etapas da produção até o consumidor (integração vertical) e aumentar os centros de distribuição e espalhar pelo território (integração horizontal).
  • Produtividade: Era importante ter um trabalhador especializado numa função para aumentar a produção.

Dessa forma, se fazia muito, em pouco tempo, com custo mais baixo, mas com pouca possibilidade de mudanças no produto final.

Henry Ford - Fordismo - #elasonhaelafaz image by http://leandronazareth.blogspot.com.br

Olha o tal dono de fábrica de carros! O nome dele é Henry Ford.

Depois de muitas experiências, testes e a própria mudança de comportamento do consumidor em geral, foi percebendo que o produto com alta possibilidade de customização e alinhado a ideais como sustentabilidade e inclusão social, por exemplo.

E no lado de quem produz, foi se questionando muito mais o valor do trabalho, no sentido de reconhecer um significado que dê importância ao trabalho realizado, além da possibilidade de contribuição intelectual e no conhecimento formado no ambiente de trabalho.

Resumindo, a inovação é um dos pontos de regem o mercado atualmente. Mas como levar estes conceitos para o negócio recém-aberto ou ainda na fase de projeto? É bem simples! Tem alguns conceitos que podem te ajudar:

  • Organização corporativa mais horizontal: Com muitas etapas na tomada de decisão, o processo fica mais burocrático e não dá espaço para novas ideias e conhecimento da base, que é quem bota a mão na massa. Por isso, foi pensado num conceito organizacional mais horizontal. O conceito se distancia da verticalidade e deixa a empresa mais informal, onde todos as pessoas se unem para tomada de decisões e contribui com o que sabe. É um espaço mais democrático, interessante para o colaborador, que se sente importante e melhor para surgirem novas ideias.
  • Flexibilidade de trabalho: Ficar preso a uma função por muito tempo acaba desanimando o colaborador. Aliás, hoje em dia, todo mundo fica desanimado com uma situação dessas, né? Nós, empreendedoras, mais ainda! Nada de ficar na mesmice. A ideia é flexibilizar as funções com a equipe para que todos saibam sobre o resultado do trabalho, poder conhecer todo o processo e contribuir com soluções que melhorem a produção.
  • Trabalho em equipe: A união de colaboradores para um objetivo em comum foi vista como uma forma de alcançar o sucesso. Através da atenção com outro, liberdade para discussão, alto comprometimento com a equipe, facilidade para tomar decisões em equipe, é possível formar um ambiente de trabalho mais produtivo para o negócio e mais motivador para os colaboradores.
brainstorming - image by freepik

Organizações horizontais: Mais ideias, menos burocracia!

Com as diversas possibilidades tecnológicas, é possível atuar de forma mais horizontal, atender os nichos com mais atenção à suas necessidades e construir uma imagem corporativa mais alinhada aos anseios da sociedade. Lembrando que aqui neste texto eu trouxe duas formas BEM distintas e que entre elas há outras formas que foram pensadas ao longo do tempo e das mudanças no mundo.

Ache nestas ideias, uma forma que você ache que vai dar certo com a proposta do empreendimento e mão na massa! Com a ação, você vai descobrindo desafios e soluções para o seu business.

E aí, gostou do texto? Espero que sim! Compartilhe este conteúdo com outras empreendedoras e ajude-as a também conseguirem realizar seus sonhos através do empreendedorismo. Tem alguma dica, crítica ou elogio? Comente aqui embaixo que eu estou sempre de olho!

Um beijo, tchau!

*****

Assine a newsletter e receba informações valiosas

sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.

http://bit.ly/ListaDaPatri