Arquivos da tag: organização

mar 26, 2018

Saiba agora como se planejar e colocar em prática seu negócio!

Opa! Tudo bom com você? Ainda abordando temas que as seguidoras do perfil @elasonhaelafaz, eu vim aqui para compartilhar com vocês como se planejar e colocar em prática seu negócio. É uma dúvida que surge para muitas pessoas que querem começar a empreender, mas não sabem como começar.

O que cresce ainda mais a insegurança e o medo (que eu já abordei aqui no site. Se quiser ler, só entrar neste link). Vamos ao que interessa? Saiba agora como se planejar e colocar em prática seu negócio!

Pra começar, quero que você responda esta pergunta: O que é planejamento empresarial? Sabe dizer? Se você é do time que não sabe (e tudo bem não saber, muitas pessoas ainda não sabem!), então vai aí a resposta: É a ferramenta a sua mão que você tem para observar, monitorar e controlar os objetivos e metas da sua empresa e a visão de empresa num futuro estabelecido (1 ano, 5 anos, 10 anos). Com o planejamento empresarial, você consegue organizar e estruturar a forma de pensar da empresa e controlar melhor as ações baseadas na missão e valores da empresa. Se sua empresa não tem uma missão e nem valores, não dá para empreender! Como pode um business surgir sem um propósito?

Com o planejamento empresarial, você consegue organizar e sistematizar todo o pensamento sobre o business. Olha a sacada! Para nós, que pensamos mil e uma coisas ao mesmo tempo, não é coisa melhor, não é mesmo?

Dentro deste planejamento empresarial, temos três grupos de organização:

  • Estratégico: É onde o pensamento como todo é organizado e sistematizado de acordo com a missão e valores do negócio.
  • Tático: É onde tudo que é gerenciável se encontra: Planejamento de marketing; da produção; do RH; das finanças; plano de ações das atividades meio.
  • Operacional: Aqui é onde fica a mão na massa! Neste grupo fica o planejamento de tudo que precisa ser feito, nível estratégico das operações. Plano de ações específicos por área.

Eu sei que tudo isso parece grande e trabalhoso, mas tenho certeza que você vai ter muito mais produtividade se inserir esta ferramenta no seu empreendimento. Por isso, eu vou explicar todas as etapas do planejamento empresarial para que você saiba como se planejar e colocar em prática seu negócio.]

Saiba agora como se planejar e colocar em prática seu negócio! - image by freepik

Pensar e definir estratégias para o seu negócio também é uma forma de trabalho! Seu empreendimento agradece.

Primeira parte: Concepção

É aqui que nós vamos elaborar a missão e valores do seu empreendimento. Você pode se perguntar “Para quê meu negócio precisa disso?” e eu já te respondo que com isso, sua empresa tem um caminho estabelecido e, assim, podemos saber aonde queremos chegar e por onde vamos seguir.

Procure responder a perguntas como:

  • Qual é o propósito do negócio existir no mercado?
  • Como que você quer que as pessoas vejam, no futuro, a imagem do negócio?
  • Quais são os valores que a empresa vai agregar ao mercado que se estabaleceu?

Com estas perguntas respondidas, você terá, respectivamente, a missão, a visão de futuro e os valores da empresa! E, de quebra, você já sai com um diferencial do empreendimento, coisa que eu falo bastante por aqui e no canal!

Segunda parte: análise do cenário

Você já tem a base do pensamento empresarial já estruturado, parabéns! Agora precisamos observar o que se passa no mercado que sua empresa está inserida. Como se fosse uma “fotografia”, você vai gravar o momento que o espaço que seu negócio ocupa e observar seu ambiente. Este ambiente é divido em duas partes para você não ficar confusa. São esses:

  • Macroambiente: É a parte de fora da empresa. Você não tem controle sobre este ambiente, então muito do que acontece neste campo, acaba influenciando as ações de dentro da empresa. São as questões políticas, econômicas, sociais e tecnológicos. Dentro neste mix de questões, poder haver oportunidades, mas também pode existir ameaças. Por isso a importância da análise.
  • Microambiente: É a parte de dentro da empresa. Aqui você tem controle sobre o que acontece! São as suas potências e fraquezas que dizem sobre o negócio.

Observando esta “fotografia” do mercado, você tem a oportunidade de saber por qual caminho seu empreendimento vai seguir e ter uma base para se planejar. Se você ainda tem dificuldade em observar o macro e microambiente, suas oportunidades, ameaças, pontos fortes e fracos, recomendo você ler este texto aqui.

Terceira parte: elaboração

É aqui que vamos saber qual será o melhor caminho que seu empreendimento vai percorrer. Se existe um caminho mais curto ou não, se há dificuldade ou não em percorrer um caminho. É nesta parte que vamos identificar a visão curta do negócio e a visão estratégica do negócio.

  • Visão curta do negócio: definição direta do produto e serviço que se entrega. Exemplo: a definição de negócio de uma empresa que vende cosméticos: perfumes, sabonetes, itens de maquiagem.
  • Visão estratégica do negócio: definição estratégica: define-se pelos benefícios que serão entregues, além do produto e serviço. Exemplo: definição de negócio de uma empresa que vende cosméticos: beleza; presentes.

Na elaboração também vamos formar os objetivos e estratégias gerais do negócio. Para isso, você precisa responder perguntas como:

  • Como a empresa atuará no cenário, obtendo o melhor desempenho?
  • Como será sua posição nesse mercado dinâmico?
  • Em qual segmento atuará (indústria, comércio, serviços)?
  • Como serão os negócios da empresa, sua atuação geográfica, como se dará seu relacionamento com os fatores políticos, econômicos, sociais, tecnológicos?
  • Vai atuar com uma única unidade (matriz), ou vai ter outras unidades (filiais)?
  • Vai atuar de forma concentrada, vai manter a estabilidade, vai traçar ações para crescer, reduzir seu porte?

Tendo respondido todas as questões sobre os objetivos e estratégias gerais, temos a formação de um pensamento bem mais organizado, não é mesmo? Para ajudar ainda mais, tenho aqui algumas formas de pensar estratégico:

Estratégia de concentração: vai buscar o melhor uso dos recursos que já tem. Por exemplo:

  • Objetivo geral de concentração: manter o mix de produtos – móveis para quarto (cama, criado, guarda roupas) no portfólio de vendas.
  • Estratégia: manter a especialidade da fabricação em projetos e produção de móveis para quarto, mantendo a qualidade e especificidade da empresa.

Estratégia de crescimento: vai buscar o aumento no desempenho, seja por crescimento interno, estrutural, ampliação de recursos. Seja aumentando a forma de atuação no mercado, integração vertical ou horizontal com outras empresas, ou ainda, diversificando seus produtos e serviços. Por exemplo:

  • Objetivo geral de crescimento: aumentar o faturamento em 80% no ano de 2016.
  • Estratégia de crescimento: aumentar dois pontos de vendas dos produtos A, B, C, oferecendo-os em duas novas cidades da região Centro-Oeste.

Estratégia de redução: é a estratégia utilizada quando os resultados estão abaixo do esperado, quando é necessário diminuir a estrutura, aplicar recursos, ou mudar a forma de atuação no mercado. Por exemplo:

  • Objetivos gerais de redução: reduzir as unidades de negócio na região metropolitana da cidade X.
  • Estratégia: fechar as filiais B, C, nas cidades B e C até o mês de dezembro de 2016.

Elaboração dos objetivos e estratégias funcionais

Objetivos e estratégias funcionais são respectivamente o quê e o como cada área funcional da empresa (Marketing, Operações, RH, Finanças) vai despender esforços, visando ao alcance dos objetivos gerais, conforme a natureza dos objetivos e estratégias.

Com esta etapa é provável que você fique um pouco mais tempo organizando os pensamento sobre o negócio, mas saiba que você será extremamente produtiva ao terminar! Aqui você economizará meses de confusão no andamento do seu negócio.

Quarta parte: implantação

Bora para a mão na massa? Já estava na hora, não é mesmo? Depois de tanto organizarmos e estruturarmos o pensamento em forma de estratégia, vamos definir agora a realização dos objetivos e estratégias funcionais que vão nos fazer chegar às metas estabelecidas lá na terceira parte. Mas não é apenas fazer, é preciso monitorar e formar indicadores que vão te mostrar se estamos ou não no caminho certo.

Um indicador, por exemplo é uma meta pontual que você estabeleceu ao querer vender 1000 coxinhas por mês, que custam R$2,00 cada, durante o ano de 2018. Podemos colocar o indicador ” R$2000,00 reais em vendas/mês”, que vai valer até o final de 2018. Simples, né? Com estes indicadores em cada área da empresa (se você ainda não lembra, são as áreas de Marketing, Operações, RH e Finanças), você tem como medir se sua empresa está chegando ou não no objetivo estabelecido lá atrás.

Se você trabalha com colaboradores, é MUITO importante que você, líder, tenha uma posição empreendedora! É você que vai fortalecer os laços entre a empresa e seus objetivos e seus colaboradores. Então, mostre a eles que seus objetivos estão sendo conquistados, se há algo indo contra os resultados, converse com os responsáveis. Deixe todos os envolvidos por dentro do planejamento e insira-os na missão e nos valores da empresa.

Quinta parte: Avaliação e aprendizado

Depois de tudo isso que aconteceu, é hora de reunir, sentar e avaliar o que foi feito, com base nos indicadores da quarta parte. Pode ser que os resultados sejam bem diferentes do que foi planejado. E bem provável que seus indicadores não estejam mostrando um resultado próximo da realidade, então reveja e mude seus indicadores. Pode ser que os resultados estejam próximos ou até superaram as expectativas colocadas no planejamento. Que bom! Compartilhe esta notícia com seus colaboradores e seja uma liderança que incentive a todos que trabalham para que seu sonho continue sendo uma realidade.

Com tudo isso, eu tenho certeza absoluta que você tem capacidade de começar a empreender! Eu espero que este conteúdo tenha ajudado você a dar o seu primeiro passo na carreira empreendedora e que tenha muito mais segurança para realizar seu sonho! Se você gostou deste texto, compartilhe! Você estará ajudando muitas pessoas a empreender e realizar seus sonhos. Caso tenha algo para comentar, só ir aqui embaixo e soltar o verbo!

Um beijo, tchau!

*****
Assine a newsletter e receba informações valiosas
sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.
http://bit.ly/ListaDaPatri

fev 16, 2018

Como começar a organizar suas finanças!

Opa! Vem cá, você ainda não sabe como organizar suas finanças ou anda perdida com seus gastos e entradas? Então saiba agora como começar a organizar suas finanças!

 

Quando o assunto é empreendimento, ter uma postura de organização e controle das ações é algo imprescindível para o sucesso do seu negócio. Mas nem sempre começamos sabendo agir desta forma. É normal encontrarmos pessoas que iniciam seus negócios com pouca ou nenhuma organização sobre o que gasta e o que recebe. Desta forma, não há como saber com propriedade quando é a hora de fazer promoções, de reduzir gastos ou é a hora de investir. Por isso, o fluxo de caixa é fundamental para qualquer negócio, sabia?

Mas o que é isso, Patricia? Eu te respondo agora! Nada mais é do que uma planilha que organiza as entradas e as saídas de capital da sua empresa, para uma visualização presente e futura do seu caixa. Com o fluxo de caixa, além de você ter a possibilidade de visualizar a situação financeira atual do seu negócio, é possível também se basear em suas informações para tomar decisões dentro do seu planejamento estratégico.

Como começar a organizar suas finanças - #elasonhaelafaz - source: freepik

Por exemplo, se você planejou investir em capacitação daqui a 6 meses e pretende implementar, você precisa saber antecipadamente se há capital disponível para isso. Logo, você deve ter dados organizados que mostrem a projeção do caixa, se você terá este recurso ou não. Aí sim, você decidirá se irá ou não fazer este investimento. Bem mais seguro, não é mesmo?

Agora que você tem uma noção do que é o fluxo de caixa, vamos para a mão na massa! Para começar a montar seu fluxo de caixa, você precisa saber quanto você possui em caixa (No caixa propriamente dito ou em conta), os dados de entrada (pagamentos à vista e à prazo) e os dados de pagamento (fornecedores, contas, sálários, impostos, à vista e à prazo). Com a diferença entre estes dois últimos dados, mais o que possui em caixa no momento, é o resultado do seu fluxo.

É possível fazer esta conta diariamente, semanalmente, anualmente… Você define o período apropriado e vai aplicando conforme o período vai passando.

  • Comece pelo mais fácil, que são os compromissos já firmados. Coloque de forma separada as contas a pagar e as contas a receber. São valores que você sabe de cabeça que possui e são mais fáceis de acessar.
  • Faça uma estimativa de todos os gastos que você pode ter e os prazos destes. Coloque-as no campo de saídas de acordo com os prazos. Assim você já sabe no que seu negócio tem gastado e ainda vai gastar.
  • Agora você pode completar o campo de entradas com os valores à vista que você recebeu no período. Faça também uma média HONESTA do que você vai receber! Porque nunca se sabe com certeza quanto você vai receber. Agora, o que vai gastar é bem mais fácil de saber!
  • Com os valores inseridos nos seus devidos campos, apure a diferença entre estes campos e some ao seu valor de caixa inicial. Como resultado, você terá a estimativa do capital que você possui/possuirá!

Agora, vamos aos resultados! É possível que venha a dar valores negativos ou positivos. Para cada valor, possibilidades de atuação são disponíveis para você equilibrar seu caixa. Começando com o valor negativo, é possível fazer algumas coisas para melhorar a situação.

  1. Desencalhar produtos no estoque através de promoções;
  2. Caso ofereça recebimento à prazo, reduzir suas parcelas e/ou antecipá-las;
  3. Renegociar o custo de negociações com fornecedores;
  4. Anunciar benefícios com recebimentos à vista ou entradas maiores.

De acordo com os problemas que você encontrar, uma ação será mais necessária do que outra. Pesquise sobre as possibilidades que seu negócio tem de aumentar suas entradas e diminuir suas saídas, para obter um valor positivo de fluxo de caixa.

Agora, se o seu fluxo de caixa está positivo, parabéns! O que fazer com este excedente? Há varias possibilidades para isso! Você pode:

  1. Investir no seu negócio;
  2. Flexibilizar o prazo de recebimentos;
  3. Distribuir os lucros.

Dependendo do quanto você recebe e gasta, você terá um parâmetro de quanto seu negócio precisa ter para se manter. É muito interessante você saber isso para você procurar sempre manter reservado este valor para o empreendimento continuar a agir. Isto é o capital de giro! Se você quiser saber mais, recomendo ler esta publicação aqui.

Atualizando estes dados, é possível ter uma visão maior da vida financeira da empresa e equilibrar seu negócio, além  de criar recursos para um crescimento sólido e consistente. É muito importante saber se organizar e controlar as ações da sua empresa para tomar as decisões que são mais apropriadas para o seu business.

fluxo de caixa - imagem de exemplo

Exemplo de fluxo de caixa. Você pode fazer uma planilha digital ou fazer a mão mesmo! – fonte: http://controlefinanceiro.granatum.com.br

É isso, gente! Se você gostou deste texto, compartilhe com todos que ache importante. É fundamental para o crescimento de suas companheiras de sonho! Caso tenha alguma dica ou comentário, escreva aqui embaixo que vou adorar ler.

Um beijo, tchau!

*****

Assine a newsletter e receba informações valiosas

sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.

http://bit.ly/ListaDaPatri