Arquivos da tag: Trabalho

dez 5, 2018

As etapas que definem o crescimento de uma empresa

Opa, tudo bom?

Um dos benefícios de ser inspirada é observar no outro uma série de etapas que fizeram aquela pessoa ou instituição chegar na sua atual situação.

E isso não só basta observar superficialmente como aquela empreendedora está neste momento ou o que aquele business faz atualmente…

É importante olharmos mais a fundo que etapas foram vencidas para que aquele estado tenha te inspirado tanto.

Até porque, as coisas não se transformam assim tão rápido, não é mesmo?

E falando em etapas, inspiração e empreendimentos, a gente também tem um certo padrão, uma série de etapas que define o crescimento de uma empresa.

E aqui eu vou explicar estas etapas que definem o crescimento de uma empresa.

#1 – SUA PRESENÇA

A primeira etapa do crescimento de uma empresa se define, superficialmente na figura da empreendedora, mas pode ser que tenha 1 ou 2 sócios.

O empreendimento consiste no início daquela ideia incrível que teve. É a inspiração se tornando real.

Aqui a paixão está à mil, a busca por uma cartela consistente de cliente é alta e pouco se sabe sobre o futuro. São apenas descobertas que irão clareando sua visão.

Por não termos uma visão clara do futuro, a gente só vai saber na prática se o caminho feito foi certo. Então, aproveite seu início para focar nas VENDAS.

Aparências e tecnologia são adquiridas depois que seu início está estabilizado.

Não tenha medo de mudar logo no início. É normal isto acontecer! Ajuste seu público-alvo, o posicionamento do seu empreendimento, o produto, como vende, onde vende. Experimente até acertar.

Com um bom começo, um bom faturamento virá.

#2 – SEU DESAFIO

Nesta etapa, você encontra uma empreendedora com uma alta margem de lucro e muito trabalho.

Suas vendas estão indo muito bem e, consequentemente, você vai precisar formar uma equipe e delegar tarefas.

As dúvidas e inseguranças virão, esteja certa disto.

Mas lembre-se de que:

  • Você tem certa estabilidade no fluxo de caixa;
  • O desafio te mostra novos caminhos;
  • Sua inspiração também passou por isso. Você também consegue.

Como falei dos desafios como caminhos, por onde seguir?

  • Desenvolva sua capacidade de gestão;
  • Aprenda a delegar tarefas, contratar, controlar e motivar equipes;
  • Organize o caos.

 

#3 – SEU AVANÇO

Seu empreendimento está em crescimento e é prazeroso ver seu sonho avançando em comparação com outras empresas.

É provável que você se encontre como inspiração para outras mulheres empreendedoras.

Bom, essas mulheres inspiradas não estão na sua pele. O avanço requer aprendizado. O aprendizado requer desafios. Serão muitos nesta etapa.

Você está vendendo muito bem, mas não consegue entregar uma boa experiência pós-venda. Sua equipe ainda não está alinhada ou ainda não possui pessoal suficiente pra entregar.

Várias pessoas entram e saem da sua empresa, suas decisões são muito mais delicadas, é difícil encontrar profissionais qualificados, você encontrará alguns custos exagerados.

Sim, será estressante. Mas serão vivências que você pode desenvolver:

  • Sua capacidade de gestão de pessoas e financeira;
  • A organização, cultura e processos da sua empresa (MUITO IMPORTANTE);
  • Seu mindset como empreendedora.

É como se você encontrasse um chefão de um game que parece que qualquer deslize fará com que você perca o jogo. Mas lembre-se de que você ainda pode contratar pessoas boas, com tempo para isso. Mais importante que o final do caminho, é com quem você vai caminhar.

#4 – SEU CONHECIMENTO

Aqui eu defini esta etapa do crescimento de uma empresa como conhecimento porque você passou da fase do aprendizado, dos desafios, e isto irá gerar conhecimento para você e sua equipe.

O interessante do conhecimento é que assim é possível transformar mais o que está dentro do que está fora. E esta é a questão desta etapa.

Você terá pouco tempo disponível para contratar pessoas. Pelo contrário, você verá uma necessidade maior de pôr mais produtos em oferta e mais pessoas para colaborar.

Lembra que eu falei em um dos pontos da etapa #3 que a organização, cultura e processos da sua empresa são muito importantes? Lembra que eu falei agora que a vantagem do conhecimento é transformar ainda mais o que está dentro?

Então. Neste momento você poderá encontrar regras, processos e mecanismos que atrasam a atividade interna.

Coisas que não foram questionadas, transformadas, melhoradas, por conta da loucura que era a etapa do avanço.

Neste momento, com conhecimento, você e sua equipe podem flexibilizar, agilizar e construir processos, organizações e culturas mais inteligentes.

Se sua empresa já foi avançando desta forma, ótimo! Você pode focar a atenção em outros pontos.

Um exemplo é a decisão. Agora você terá que se embasar muito suas decisões em planejamentos estratégicos e informações relevantes.

Surgirão muitas oportunidades de parcerias e campanhas. Cabe a você dizer com sabedoria o NÃO para quem não está alinhado à estratégia do negócio.

Sobrarão as pessoas e grupos que são capazes de trabalhar de acordo com as diretrizes estratégicas.

Isto irá render um crescimento absurdamente alto!

#5 – SEU VÔO

Sua empresa está praticamente funcionando sozinha e parcerias e contratos milionários estão sendo feitos.

Apesar deste avanço todo, qualquer erro pode gerar também quedas imensas. Não esqueça que você está em vôo.

Ainda é muito importante manter uma boa cultura organizacional, processos eficientes e visão alinhada ao planejamento estratégico da empresa.

No entanto, você e suas sociais se encontrarão com a paixão pelo empreendimento mais fraca e o dilema entre vender a empresa e continuar baterá a sua porta.

Independente das escolhas feitas, tenha muita clareza e embasamento para as suas decisões.

Bom, espero que tenha gostado deste conteúdo! São informações que podem ajudar você a organizar sua mente nas diferentes fases da carreira empreendedora.

Conhece alguém que esteja em alguma destas etapas? Compartilha pra ela e ajude-a também a ser uma pessoa que inspira.

Um beijo, tchau!

dez 3, 2018

Nós fazemos o empreendedorismo espelhado nas ideias feministas e isto está sendo revolucionário.

Opa, tudo bom?

Nestes longos anos de carreira empreendedora, pude trocar ideias com diversas mulheres que sonham e fazem acontecer. Elas colocam as suas vidas em prol de uma carreira que levante o mercado, sempre baseado nas suas visões de sociedade.

Isso diz muito respeito às nossas posições acerca dos problemas da sociedade. Nesse ambiente que estamos, vamos falar obviamente de empreendedorismo feminino.

Sim, isto é também uma questão social. Nós fazemos o empreendedorismo espelhado nas ideias feministas e isto está sendo revolucionário. Sabe o porquê? Vou te mostrar agora!

1) Nós estamos decidindo por nós mesmas

Hoje temos um leve gosto da obviedade desta frase, mas até pouco tempo isto era bem difícil de ver na sociedade. Mulheres que fazem um negócio começar do zero e se tornar grandes empreendimentos são tão revolucionárias que, dentro do mercado, homens ainda sabem muito pouco como lidar com tanto poder e presença vindo delas (e de você também). E onde o feminismo entra nisto? A sociedade patriarcal é estruturada no homem como figura central. Famílias, grupos e organizações eram comandadas por homens e as mulheres tinham pouquíssima ou nenhuma força de decisão nestas camadas. O movimento feminista quer quebrar com esta desigualdade para atender também interesses de todas as mulheres que desejam ocupar estes papéis na sociedade.

2) O dinheiro que temos é fruto do nosso trabalho

As possibilidades e oportunidades que o dinheiro fornece pra gente é essencial pra nossa vida. Tanto que, hoje temos um mercado muito mais voltado para os interesses e necessidades REAIS das mulheres, não só por ocuparmos espaços de poder, mas por temos poder de compra. O dinheiro que temos atualmente é fruto do nosso próprio esforço. Não dependemos de homem para termos o que queremos, e isto é libertador. Lembra que falei da estrutura patriarcal? Então, como os homens que eram os provedores da casa, as mulheres não tinham remuneração por não terem um trabalho que não seja o trabalho doméstico. O dinheiro era dividido para a mulher da casa de acordo com a visão do homem e isto restringia a liberdade da mulher.

Nós escrevemos a nossa própria história.

3) Temos a chance de sermos encaradas igualmente nos espaços de trabalho

Ainda temos muito para caminhar, eu sei. Mas demos alguns passos no que se refere à diferença de pagamento para homens e mulheres. No início, as empreendedoras e executivas recebiam muito menos do que os homens recebiam, comparando o mesmo posto de trabalho. Por tamanha visão pejorativa da mulher nos espaços de trabalho, a mulher não tinha reconhecimento de seu potencial e competência, mesmo sendo maiores do que dos homens. Hoje temos uma oportunidade um pouco maior de encontrar postos de trabalhos com pagamentos justos para as mulheres. Além da crescente conscientização da sociedade como todo, mulheres podem ocupar espaços de trabalho e fazer a diferença sendo boas no que fazem e sendo justas nas suas relações de trabalho.

4) A alta segmentação de mercado também é boa para todas nós

Só a gente sabe a complexidade que é colocarmos todas numa definição de mulher. Até hoje esta pergunta não tem uma resposta simples. Isto porque há diversas mulheres que possuem visões, interesses, necessidades, problemas, privilégios e opressões diferentes. Como o empreendedorismo visa também inovar no mercado solucionando problemas que as diversas camadas da sociedade possuem, o empreendedorismo feminino pode dar uma atenção muito maior às necessidades dos segmentos da camada feminina da sociedade. Por dois motivos simples: empatia e vivência. Nós podemos perceber melhor o que a outra sente, entender mais profundamente a necessidade da outra e oferecer soluções mais inovadoras. E a vivência por simplesmente sabermos através da experiência de vida o que as mulheres em geral vivem por aí e precisam do mercado.

Você que pretende ou já trabalha numa carreira empreendedora, está fazendo muito mais do que simplesmente movimentar a economia e desenvolver o mercado. Você é mais um ponto de revolução neste mundão que já não se sustenta com a visão de que homens possuem uma posição acima das mulheres por motivos infundadas e preconceituosas. E está sendo maravilhoso poder estar aqui, inspirando e sendo inspirada por cada empreendedora que coloca sua cara a tapa pra fazer acontecer, quebrar padrões e fazer todas nós crescermos.

Espero que este texto tenha te ajudado a se inspirar no seu dia a dia e que tenha te transformado pra melhor. Comenta aqui ou nas minhas plataformas sociais o que você achou! Compartilhe este texto para que outras mulheres (e homens também) se inspirem e se desenvolvam profissionalmente.

Um beijo, tchau!

nov 28, 2018

10 dicas para ter uma reunião produtiva

Opa! Tudo bom com você?

Quando a gente pensa em reunião produtiva, a gente logo pensa no inverso, em tempo improdutivo, não é mesmo? Isso porque muita gente não sabe lidar com reuniões, seja ela qual for.

Acontece que uma reunião interna ou de negócios pode e deve ser mais produtiva e terminar com um plano de ação definido. Eu vou compartilhar com você 10 dicas para ter uma reunião produtiva. Assim, suas ideias podem ser melhor aproveitadas e problemas podem ter soluções em menos tempo. Vamos lá?

1) Saiba claramente o objetivo da reunião

Independente se for um call ou uma reunião presencial, é importante sabermos claramente o objetivo pelo qual você e outras pessoas se reuniram. Parece bobo falar sobre isso, mas muitas das vezes, participamos de reuniões que possuem objetivos vagos ou sem sentido que só nos faz perder tempo valioso. Escreva o objetivo principal da reunião para ter a clareza do destino final da reunião.

2) Tenha uma pauta

Listar numa folha os tópicos que precisam ser abordados é importante para manter alta a objetividade da reunião e não haver perca de assunto. Nos distrair com outros assuntos que não se relacionam com o tema principal é muito fácil de acontecer. Se preciso, delegue uma pessoa para ficar responsável pelo foco dentro da reunião.

3) Numa negociação, saiba os objetivos do seu cliente

Caso você tenha que fazer uma reunião de negócios, conhecer bem seu cliente e seus objetivos. Como estamos falando de negociação, é importante haver um acordo entre as duas partes para termos resultado. Portanto, conhecer a necessidade e objetivos do seu cliente ajuda a ter uma comunicação mais produtiva.

4) Ter planos B, C e até mesmo D

Ainda no caso de uma reunião de negócios, é provável que surgirá uma objeção por parte do seu cliente. Conhecê-lo ajuda a construir alternativas boas de acordo.

5) Saiba ouvir o outro

Independente de uma negociação ou reunião interna, saber ouvir o outro, dar espaço para o outro falar, ser atencioso com as falas ajuda a construir uma imagem de confiança. Comunicar também é ouvir, então seja muito prudente nas interrupções.

6) Se reúna com quem realmente importa

Isso acontece muito! Sabe aquela reunião entre companheiros de trabalho, que o patrão chega e chama toda a sua equipe para falar de um tema importante realmente para umas 10 pessoas? Então, isto torna uma reunião muito improdutiva. Convoque aqueles que realmente irão contribuir com a reunião.

7) Tenha controle do tempo

Estipular o tempo de reunião e respeitá-lo evidencia uma imagem sua de autoridade e organização. Não chegue atrasada, nem ultrapasse o tempo definido pela organizadora.

8) Sua postura também vende

Seja como participante ou como alguém que está expondo/vendendo uma ideia, a sua postura influencia no seu esforço de convencer e argumentar. Uma postura torta, debruçada na mesa ou cadeira, não entrega uma imagem de autoridade. Dessa forma, dificilmente uma pessoa pode acreditar na sua palavra. Nossa linguagem também está em como nos gesticulamos e posicionamento fisicamente. Então, se atente à sua postura, ereta e ajustada a sua posição, seja ela sentada ou em pé.

9) O contexto influencia na sua linguagem

Falando em linguagem, é importante prestarmos atenção ao ambiente em que estamos. Quando estamos em um ambiente mais empresarial, com pessoas desconhecidas ou pouco conhecidas, nos adequamos usando uma linguagem mais formal, sem gírias. Quando estamos num espaço mais descontraído, com pessoas com um nível de intimidade maior, podemos usar a linguagem informal para nos comunicar. Fazer o contrário disto pode cortar o vínculo conversacional com quem está te ouvindo.

10) Sempre coloque suas ideias

Quando somos participantes, por vergonha ou algo do tipo, deixamos de expor nossas ideias, que poderiam contribuir com a reunião. Então, não deixe de expor seu conhecimento e ideias. Depois você pode sentir arrependimento por não ter contribuído da melhor forma.

É isso, meu povo! Compartilhei 10 dicas para ter uma reunião produtiva, mas ainda tem mais dicas para arrasar numa reunião. Conhece alguma que eu não falei? Conta pra gente!

Se você conhece alguém que tá precisando conhecer algumas destas dicas? Compartilha este conteúdo então! Você vai ajudar muita gente.

Um beijo, tchau!

nov 27, 2018

Como formalizar seu trabalho?

Opa, tudo bom?

Vim aqui para conversar e tirar algumas dúvidas que possa ter em relação a formalizar seu trabalho.

Muita gente começa a empreender sem a devida formalização do seu trabalho. É comum acharmos que todo este esforço burocrático não vai ajudar em muita coisa e que é mais interessante focar no que estamos mais precisando no momento. Ao contrário do que achamos, formalizar seu trabalho, sendo empresária e autônoma, ajuda você a crescer com mais segurança.

Mas, o que eu sou na verdade: Empresária ou autônoma?

Para começar, as duas coisas são diferentes sim. Quando decidimos trabalhar por conta própria, temos muitos caminhos a serem seguidos. Eu vou explicar aqui as diferenças para ajudar você a formalizar seu trabalho.

Se você possui uma atividade econômica que visa a produção de riqueza através da produção de bens de consumo e de serviços, você está atuando como uma empreendedora. Ainda ficou difícil de entender? Bom, se a sua atividade visa administrar um negócio que é pautado no trabalho, na natureza (recursos) e no capital, você se encaixa na posição de empreendedora.

E será que você é uma autônoma? Bom, se a sua atividade possui natureza intelectual, artística ou literária. No geral, é aquela pessoa que atua sem sócios na colaboração, vendem seus serviços, mesmo que tenha auxiliares com você.

Então, se você trabalha como advogada, por conta própria, possui ou não auxiliares e presta serviços para pessoas ou grupos, então você se encaixa como uma autônoma ou profissional liberal.

Existem também as diferenças quando há organização em grupo de trabalho. Caso você tenha uma atividade econômica junto com outras pessoas, que visa o lucro, através de produção e distribuição de bens e serviços e partilham do retorno financeiro, você e suas sócias se encaixam na configuração de uma sociedade empresária.

Tendo um trabalho em grupo de colaboração e prestação de serviços para pessoas e grupos, de profissão intelectual (gênero), de natureza científica, literária ou artística (espécies), mesmo se contar com auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa, está dentro de uma sociedade simples.

Então, como será a forma do seu trabalho? De acordo com cada tipo, uma regulamentação é feita. Assim, você consegue crédito em bancos, exportar seus produtos e serviços, receber subsídios do governo e fechar parcerias. Pense bem em quando irá atuar e formalize seu negócio assim que as etapas que sustentam seu trabalho estejam resolvidas.

Espero que tenha ajudado! Compartilhe este texto com outras pessoas e as ajude também a começarem a ter o seu próprio trabalho. Comenta aqui embaixo se você tem mais alguma dica, sugestão ou dúvida.

 

Um beijo, tchau!

nov 16, 2018

Slow Fashion: Nossa relação com a vestimenta se transformou.

Opa, tudo bom?

A nossa relação com a vestimenta tem se transformado, assim como muitos aspectos da sociedade. Num paralelo com avanços tecnológicos, a moda se inseriu em um quadro de mudanças na forma de pensar a vestimenta.

Com as novas possibilidades de comunicação, produção e consumo, vemos grandes empresas estabelecendo uma estrutura de consumo de moda rápida e descartável.

Mas o que pensar de nós, empreendedoras, que estamos com ideias, sonhos e conhecimento prontos para serem aplicados? É verdade que a forma de moda que citei, o Fast Fashion, não dá muita chance para a criação ou inovação.

É aí que entramos. O poder de escolha do consumidor e sua visão mais ampla da sua presença participativa da sociedade demanda para gente um modo de fazer moda que pense mais nas pessoas do que no consumo.

O Slow Fashion é um movimento relativamente recente que atraiu pessoas que questionavam a forma descartável que usamos roupas, sem levar uma autenticidade para quem usa. Conceitos como este, além da inovação, são fatores que proporcionam ao Slow Fashion o espaço para pensar: O que a moda pode fazer realmente para contribuir com o mundo?

É por isso que alguns empreendimentos investem no design, no fator criativo e na economia sustentável para criar soluções reais para o uso de roupas na vida cotidiana das pessoas. Nós não queremos só ficar lindas. Queremos ficar lindas, autenticas, confortáveis e engajadas em nosso espaço.

Então, porque não reinventarmos a moda que conhecemos e investir nossas necessidades, desejos e soluções reais no mercado?

O Slow Fashion surgiu com este intuito. O fator humano é ponto principal do movimento, onde a atenção é voltada para a humanização da cadeia de produção e de consumo. Costureiras e Costureiros são reconhecidos em suas produções, criativos pensam em todos os aspectos da vida do consumidor para gerar uma real identificação com sua marca, o consumo é revisto no âmbito individual, como construção de identidade, e no âmbito coletivo, como ação de transformação da sociedade.

Este é um mercado que ganhou força nos últimos tempos, merece um olhar atento para quem busca empreender na área ou já é atuante. Há diversos parceiros que podem acrescentar ao Slow Fashion e você pode ser mais uma agente do movimento que visa quebrar padrões nocivos do mercado da moda.

Espero muito que tenha gostado destes insights e que possa contribuir com sua caminhada empreendedora. Compartilhe este texto com todos que acharem importante e não deixe de comentar aqui ou nas plataformas sociais a sua sugestão, ideias, críticas e mensagens.

Se quiserem que eu fale mais sobre o assunto, comentem lá no insta!

Um beijo, tchau!