abr 2, 2018

Qual é o valor do meu trabalho?

Opa! Tudo bom? Espero que sim!

Vim aqui para conversar e compartilhar algumas experiências minhas no empreendedorismo. Estou nesta jornada há mais de 8 anos e percebo que algumas pessoas se perguntam “Qual é o valor do meu trabalho?”. Essas pessoas têm dúvidas em relação à precificação do seu produto ou serviço.

Sabemos que este é um critério importante na decisão de compra, não é verdade? Então vou dividir com você algumas dicas e informações importantes para você. Vamos lá?

Os negócios estão cada vez mais segmentados e diferenciados. Podemos perceber isso por que o mercado está mais exigente e, por isso, nós como empreendedoras precisamos entender a necessidade do mercado e realizar um trabalho bem específico para atender o nicho. Qual é a novidade nisso? Nenhuma.

Acontece que, com isso, torna-se mais difícil estabelecer um preço que atenda os interesses do negócio e seja justo para o consumidor. Antes, com a baixa diferenciação e baixa personalização de produtos e serviços, não tinha muita diferença entre preços e era fácil definir o valor de um produto e de um serviço. Agora a situação é inversa!

Para responder à pergunta “Qual é o valor do meu trabalho?”, a gente precisa observar alguns pontos em relação ao microambiente e o macroambiente. Se você não sabe o que são micro e macroambiente, leia este texto.

Primeiro: Quanto custa para oferecer este produto/serviço?

Obviamente, há um custo para levar até o cliente um produto ou um serviço. Os custos fixos (aluguel, energia, água, internet…) precisam ser cobertos através de uma média, junto com os custos variáveis (comissão de vendas, por exemplo). Faça uma média destes custos e inclua no preço do seu produto ou serviço.

Segundo: Quanto os meus concorrentes diretos estão cobrando?

Indo para o macroambiente, observe o preço oferecido por seus concorrentes diretos. De acordo com o seu planejamento, trace um valor próximo ao valor de mercado, atendendo ao planejamento interno de competitividade (agressiva ou não). Alguns fatores como tempo de mercado, força de marca e volume de vendas são importantes para definir o preço.

Terceiro: Vamos as ajustes!

Você conseguiu achar um número? Ótimo! Observe se este valor é muito alto. Se for, você precisa diminuir seus custos fixos para manter seu negócio competitivo. Este é o fator que pode ser controlado. Caso não seja viável modificar os custos, avalie se é a hora de diminuir o seu lucro líquido, que é o valor restante da diferença do preço com o custo médio. Pode ser uma forma de se manter ativa.

Além disso, é importante saber como o mercado está e se haverá mudanças que possam influenciar no preço do seu produto ou serviço. Pesquisas de mercado e avaliações internas podem te ajudar neste caso! Pontos como: eventos, poder aquisitivo do cliente, emprego, população, concorrência e novos produtos podem aumentar ou diminuir o preço médio no mercado. Então fique atenta e alinhe o preço do seu produto ou serviço para que fique sempre no nível aceitável para você de competitividade.

Espero muito que este conteúdo tenha ajudado você. Caso tenha mais dúvidas, comente aqui embaixo ou fale comigo nas minhas redes sociais no Youtube, Facebook e Instagram. Gostou do texto? Compartilhe com todas que achar importante receber este conteúdo relevante!

Um beijo, tchau!

*****

Assine a newsletter e receba informações valiosas

sobre empreendedorismo e tudo que envolve o universo #elasonhaelafaz.

http://bit.ly/ListaDaPatri

Deixe seu comentário!